Aos 15 anos comecei a colaborar com um jornal regional. Aos 23 começaram a pagar-me para ser jornalista. Aos 37 fui pai. Aos 38 casei-me. Há uma ou outra coisa que gostava de ter feito e que talvez já não venha a fazer. Mas são poucas. Sinto que os principais acontecimentos da minha vida sucederam na altura certa. E sou grato por isso.

Hoje, caço bandidos durante o dia, sou papá lá mais para o fim de tarde e marido, quando a noite caminha para a madrugada, que é a hora em que a minha mulher me ameaça com sete dias e sete noites a pão e água, se eu não lhe aquecer os pés. Mas, na verdade, sou um pouco disto tudo a todas as horas do dia.

Se ainda está a ler este texto, é porque a coisa não está a correr mal de todo. Por isso e antes que mude de ideias, vou parar de falar sobre mim e sugerir que explore o mundo de coisas interessantes que o Histórias de Bebés e Bandidos tem para oferecer.