Oito Perguntas Para Ricardo Robles

Em primeiro lugar, devo dizer que não tenho nada contra quem ganha dinheiro a comprar e vender imóveis, ou contra quem ganha dinheiro com o alojamento local, apesar de ter noção que esses dois factores jogam contra mim neste preciso momento. Ando à procura de casa para comprar, porque vivo numa arrendada e não consigo sequer aproximar-me dos valores que pedem pelos imóveis em grande parte do concelho de Oeiras, que é onde eu e a minha mulher trabalhamos e onde se situam as escolas dos miúdos. Ou seja, ando a ser tramado pela especulação imobiliária, mas tenho fair play e não tento não ser tendencioso.

Posto isto, vamos então às questões…

Caro engenheiro Ricardo Robles

  1. Como é que alguém compra um imóvel por 370 000€ e gasta mais 600 000€ em obras, com um rendimento de 21 000€ anuais?
  2. Se, com esses parcos rendimentos, teve de se empenhar até aos ossos para comprar o edifício e fazer obras, como consegue cobrar apenas 170€ ou 180€ de renda mensal aos antigos inquilinos (tal como disse quando confrontado pelos jornalistas), sem ir à falência?
  3. Como é que este imóvel, que esteve à venda por 5 milhões de euros, não paga o adicional de IMI, o chamado Imposto Mortágua (criado pelo partido do engenheiro Robles), que taxa imóveis com um valor patrimonial superior a meio milhão?
  4. Porque é que o executivo do doutor Medina, da Câmara Municipal de Lisboa, isentou o seu imóvel de IMI entre 2017 e 2021? É que estas isenções abrangem apenas edifícios que foram requalificados e não edifícios que para além de requalificados, foram também ampliados, como o seu…
  5. Se é contra a especulação imobiliária, porque é que colocou o imóvel à venda por 5 milhões, quando o seu valor de mercado (segundo vários especialistas do ramo) estaria mais próximo dos 3,5 milhões?
  6. Se é contra a especulação imobiliária, porque é que tem uma casa no Conde Redondo e outra nas Janelas Verdes (ambas no centro de Lisboa), arrendadas por mais de 1 000€ cada uma?
  7. Como é que um engenheiro civil, especialista em reabilitação urbana e eficiência energética, não percebeu que a conjunção de todos estes factores, poderia terminar numa grande embrulhada?
  8. Se afinal não é assim tão contra a especulação imobiliária, qual é a necessidade de dar a cara em outdoors, contra a especulação imobiliária e contra o arrendamento local, em Lisboa?

O que é tramado não é investir e ganhar dinheiro com isso. O que é tramado é comportar-se perante as massas como dono da moralidade e, pelas costas, fazer tudo ao contrário daquilo que se apregoa na praça pública.

Written by Luís Maia

Luís Maia nasceu a 15 de Outubro de 1976, na Póvoa de Varzim. Licenciou-se em Comunicação Social no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Em 1999 trocou um emprego em part-time, num call center, por um estágio remunerado somente com senhas de refeição, na redação da TVI. Iniciou aí uma carreira de repórter que o levou a produtoras como a Duvideo, Teresa Guilherme Produções e Comunicassom, para além do jornal 24 Horas e de estações como a TVI e a SIC. Entre 2008 e 2009 viveu em Angola, onde coordenou o entretenimento do primeiro canal privado daquele país, a TV Zimbo. Actualmente trabalha para a FremantleMedia, fazendo reportagens em directo no segmento de actualidade criminal, do programa Queridas Manhãs da SIC. É baterista reformado, ex-futuro jogador de poker. Mas é, sobretudo, marido, pai e, segundo consta, bom chefe de família.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: