Aqui em casa, só conseguimos ensinar o Afonso a dormir quando percebemos que não o podíamos adormecer ao colo. Primeiro achávamos que esta teoria era uma palermice. Que roçava a insensibilidade. Só depois entendemos que, afinal, se tratava de uma forma, como tantas outras, de educar o nosso filho.

Um coro de vozes dirá ser impossível encontrar registos de vitimas por overdose de colo ou de mama, constatação sustentada com toda a certeza por evidências científicas. Porém, o ideal para uma criança é habituar-se a adormecer pelos seus próprios meios e não com a ajuda de terceiros, sejam eles pais, mães, colos ou mamas. Tudo o que não remeta para lençóis, cobertores, almofadas, para o próprio bebé e para um peluche ou qualquer outro objecto de referência, está a mais na hora de dormir. Vale dar colo ao menino? Sim. Vale dar mama ao menino? Sim. Mas não no preciso momento de adormecer.

Por muito que queira lavar o meu carro, não vou atirá-lo para dentro de uma piscina cheia de detergente, julgando que, para além de sair dali a brilhar, o motor vai pegar à primeira. Bem sei que o meu amigo James Bond poderá não estar totalmente de acordo, porque em 1977, no filme 007 – Agente Irresistível, deram-lhe um bólide que se transformava em submarino e que sobreviveria a qualquer piscina. Trata-se, no entanto, da escepção que confirma a regra. Portanto, tudo o que é demais é moléstia, como já dizia a senhora minha madrinha nos seus tempos áureos. E esta regra também se aplica ao colo.

Se o nosso filho em idade pré-escolar chorar, berrar, rebolar pelo chão em pranto, pedindo um copo de vinho, ninguém no seu juízo perfeito lhe poderá satisfazer o pedido, mesmo que possua uma adega repleta de exemplares com as melhores colheitas de Bordéus. Da mesma forma, não se deve adormecer um bebé em balado ao colo, ou a mamar nos seios da mãe, só porque ele monta um escândalo lá em casa. Aliás, na minha opinião, não se deve anuir a qualquer exigência infantil feita com base no escândalo. Isso apenas funcionará como forte incentivo a que a gritaria se transforme num meio reivindicativo altamente eficaz.

in, O Meu Filho Não Dorme, Luís Maia, Editora Guerra e Paz, 2018

Written by Luís Maia

Luís Maia nasceu a 15 de Outubro de 1976, na Póvoa de Varzim. Licenciou-se em Comunicação Social no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Em 1999 trocou um emprego em part-time, num call center, por um estágio remunerado somente com senhas de refeição, na redação da TVI. Iniciou aí uma carreira de repórter que o levou a produtoras como a Duvideo, Teresa Guilherme Produções e Comunicassom, para além do jornal 24 Horas e de estações como a TVI e a SIC. Entre 2008 e 2009 viveu em Angola, onde coordenou o entretenimento do primeiro canal privado daquele país, a TV Zimbo. Actualmente trabalha para a FremantleMedia, fazendo reportagens em directo no segmento de actualidade criminal, do programa Queridas Manhãs da SIC. É baterista reformado, ex-futuro jogador de poker. Mas é, sobretudo, marido, pai e, segundo consta, bom chefe de família.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s