Sempre achei (e continuo a achar) que Donald Trump é apenas um palerma que, quase por acaso e por falta de concorrência à altura, ascendeu ao cargo de presidente da república da maior superpotência mundial. É um acaso tramado. E quiçá perigoso. Mas comparo-o àquelas gripes chatas, que nos apanham a cabeça, os brônquios e até o ânimo. Podem deixar-nos com 40º de febre e com um ataque de pieguice que nos faz sentir como se estivéssemos à beira da morte. Mas depois de umas boas doses de antibiótico, lá desaparece o famigerado vírus sem deixar o mínimo rasto da sua insignificante existência.

Antes da eleição de Donald Trump, temi que a sua hipotética vitória poderia abrir caminho a uma terceira guerra mundial. Ou ao caos total. Hoje, acho que ele vai desaparecer como a gripe. É uma questão de tempo. Provavelmente, de pouco tempo.

Sim, é grave ele ter rasgado acordos ambientais, assinados por dirigentes de todo o mundo. Mas acredito que tudo voltará ao seu devido lugar assim que ele saia da Casa Branca. O que não consigo digerir é a atrocidade que esta administração tem cometido junto à fronteira com o México. Separar crianças dos seus pais, mesmo que os pais sejam imigrantes ilegais, é uma atrocidade. Em qualquer parte do mundo. E desta atrocidade, o presidente com nome de pato é o principal culpado.

Written by Luís Maia

Luís Maia nasceu a 15 de Outubro de 1976, na Póvoa de Varzim. Licenciou-se em Comunicação Social no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Em 1999 trocou um emprego em part-time, num call center, por um estágio remunerado somente com senhas de refeição, na redação da TVI. Iniciou aí uma carreira de repórter que o levou a produtoras como a Duvideo, Teresa Guilherme Produções e Comunicassom, para além do jornal 24 Horas e de estações como a TVI e a SIC. Entre 2008 e 2009 viveu em Angola, onde coordenou o entretenimento do primeiro canal privado daquele país, a TV Zimbo. Actualmente trabalha para a FremantleMedia, fazendo reportagens em directo no segmento de actualidade criminal, do programa Queridas Manhãs da SIC. É baterista reformado, ex-futuro jogador de poker. Mas é, sobretudo, marido, pai e, segundo consta, bom chefe de família.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s