Uma Questão de Memória

Ex-Primeiro-Ministro e ex-preso preventivo em Évora, José Sócrates, apresentou-se na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, como o ex-futuro salvador da pátria. O engenheiro gabou a “coragem e o desassombro” dos estudantes que o convidaram para aquela palestra e disse que o país não tem um verdadeiro “projecto de modernização” desde que ele saiu do governo. Disse também que o seu executivo foi o último a apostar em “construção de escolas públicas, de barragens, de mais investimento na ciência, nas tecnologias de informação, na modernização das infraeestruturas”. Mas não disse que deixou o país com um défice de 11,2% do PIB.

Sócrates vociferou contra a austeridade, acusando Pedro Passos Coelho de ter sido como alguém que está “num buraco” e que “para sair do buraco, escava mais, afundando-se ainda mais”. Mas não disse que, em 2010, foi ele mesmo a propor os primeiros pacotes de austeridade (PEC), que pretendiam conter a despesa com recurso, por exemplo, à redução dos salários da função pública. E também não disse que, à época, justificou a sua decisão alegando que “estas medidas só são tomadas quando um político entende em consciência que não há nenhuma outra alternativa”.

O engenheiro defendeu também que “a ideia da rede de alta velocidade parar em Badajoz, por uma decisão política que nos condena ao atraso é das ideias mais reacionárias” que tem ouvido nos últimos tempos. E atira culpas ao governo PSD/CDS. Ora, eu que sou, de uma forma geral, a favor do progresso, concordo que precisamos de uma modernização urgente dos transportes ferroviários nacionais, desde que os investimentos sejam feitos de forma transparente e sem recurso a um endividamento irracional. Mas José Sócrates não disse que foi um despacho do seu próprio governo, em 2010, a suspender o projecto do TGV, por falta de condições financeiras.

É tudo uma questão de memória.

Written by Luís Maia

Luís Maia nasceu a 15 de Outubro de 1976, na Póvoa de Varzim. Licenciou-se em Comunicação Social no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Em 1999 trocou um emprego em part-time, num call center, por um estágio remunerado somente com senhas de refeição, na redação da TVI. Iniciou aí uma carreira de repórter que o levou a produtoras como a Duvideo, Teresa Guilherme Produções e Comunicassom, para além do jornal 24 Horas e de estações como a TVI e a SIC. Entre 2008 e 2009 viveu em Angola, onde coordenou o entretenimento do primeiro canal privado daquele país, a TV Zimbo. Actualmente trabalha para a FremantleMedia, fazendo reportagens em directo no segmento de actualidade criminal, do programa Queridas Manhãs da SIC. É baterista reformado, ex-futuro jogador de poker. Mas é, sobretudo, marido, pai e, segundo consta, bom chefe de família.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: